1ª rodada frustrante cria impasse na negociação da CCT 2019

Sindicato patronal quer impor condições para iniciar as tratativas de acordo da Convenção Coletiva de Trabalho da categoria

No primeiro encontro entre Sindpd e Seprosp para a negociação da CCT 2019, a comissão patronal criou impasse na mesa, numa tentativa de sabotar a Convenção Coletiva de Trabalho. Durante a reunião desta terça-feira (15), na sede do Seprosp, o sindicato das empresas impôs a limitação da extensão da atual CCT para até 28 de fevereiro, prazo final dado pelos empresários para a finalização da negociação salarial deste ano.

Além de exigir condições para negociar, o Seprosp – ao contrário do que aconteceu em 2018, quando ambas das partes concordaram em estender a validade da Convenção Coletiva até o fechamento de um novo acordo – restringe a validade da CCT da categoria.

Neste cenário, a representação dos empresários ainda se manifestou contra o pagamento por parte das empresas do valor pertinente à homologação de seus funcionários junto ao Sindpd.

Refutando tais condições, o presidente do Sindpd, Antonio Neto, disse que jamais cederá a imposições para colocar em jogo as conquistas dos trabalhadores de TI e restringir as negociações. “As premissas de vocês estão equivocadas. Ou temos aqui uma relação de adultos, ou então não seguiremos numa negociação hipócrita”, criticou Neto.

Após a negativa da comissão dos trabalhadores, o sindicato patronal afirmou que fará nova assembleia com os empresários. O Sindpd aguarda uma resposta para apresentar à categoria a continuação ou não da negociação.

Fonte: Sindpd